Com quantas mãos se faz uma marca?

2 years ago  •  By  •  0 Comments

Faço marcas porque gosto de marcas e porque aprendi com os melhores o propósito da sua razão de existir.

Gosto de as conceber, imaginar, colaborar na sua criação e dar forma e identidade ao conteúdo de um negócio para possa abraçar da melhor forma o mercado que quer conquistar. Gosto do papel vazio e das imensas possibilidades que oferece à criação. Gosto de experimentar, voltar atrás. Do fazer e refazer. De pegar no resultado que julgamos final e encostá-lo à parede até nos confessar as suas fraquezas para, daí, recomeçar de novo. Gosto do frio na barriga quando acertamos e a angústia de quando estamos certos de que “ainda-não-está-lá”.

Gosto do que faço e não me imagino a fazer outra coisa. Mas gosto mais da forma como o faço agora. Na Thinkwide. 

Em estreita colaboração com pessoas talentosas que decidem ser parte desta rede de talento. Que juntam ao talento em criar a vontade de o querer fazer. Aos projetos dos nossos clientes, precedeu o maior desafio de todos: a criação da própria Thinkwide e o desafio maior de criar em causa própria (Quem cria marcas saberá do que estou a falar). E o que se apresentava à partida como um exercício doloroso, repleto de incertezas e inseguranças, resultou na melhor prova de conceito para o paradigma colaborativo de que se faz a Thinkwide.

O meu maior obrigado a quem comigo colaborou na edificação desta ideia:

Ao José Mendes, pela amizade, humanidade e generosidade sem precedente. Um mestre em todo o significado que a palavra encerra. A génese da Thinkwide é obra sua e, também por isso, o meu muito obrigado. Ao Leandro Peixoto (Infinit™) e Natanael Gama (ndiscover™), pela dedicação e infinita paciência em darem corpo, vida e sentido a este website com o conhecimento, criatividade e espírito de superação que revelaram em cada momento da sua criação. Orgulho imenso em ter a vossa colaboração e partilhar a vossa amizade. Ao Pedro Sadio e Rita Paiva, pela capacidade, disponibilidade e olho clínico que demonstraram em colaborar, sem reservas, no projeto imagético do site, transformando ideias avulsas em filmes e imagens que aqui ganham vida. Ao Filipe Cunha Monteiro, músico, realizador e mano caçula, pela disponibilidade na edição dos vídeos e por seres parte do melhor que tenho na vida. Sendo mais novo, és grande e eu adoro-te. Ao João Cracel e Inês Carvalho, porque gosto de vos ter perto,  sempre presentes, em todos os momentos e sem reservas. Esta marca também é vossa.

Por fim, a todos os que fazem parte da network por saberem dar vida aos desafios que abraçamos.

Portanto, quando um dia me perguntarem quantas mãos são precisas para criar uma marca, terei apenas de rever este texto, relembrar estas pessoas, e multiplicar por 2.

Submit a Comment